Semana Santa. Domingo de Ramos Ontem. Hoje na história…

Contexto social decadente. Conflitos. Sofrimento.
Julgamento. Contraste. Vitória! Ressurreição! Justiça! Amor! Páscoa!

Alguém que parte o pão
Entre os seus.
Um carpinteiro.
No dia seguinte será julgado
E condenado

É Jesus de Nazaré.
La vem Ele.
Ele é o Rei
Ele é a Luz
De toda a Grei

Vestes no chão
Ao seu passar
Ramos na mão
Para o louvar
Hosana! Hosana!
O salvador
Saudemos todos
O Deus Criador.

Jerusalém! Jerusalém!
Por ti chorou
Quem tanto amou.

La vai Jesus
De Nazaré
Com a sua cruz.
Tão oprimido.
Todo ferido…
A mesma gente
Que O exaltou
Hoje O condenou.

Sim, Flagelai-o
Crucificai-o
é malfeitor,
Usurpador!
Queremos paz
Menos perturba
o Barrabás

Oh! Eis O Homem!
– o vosso Deus –
já me consomem
remorsos meus.
Lavo-me as mãos
– Pilatos diz –
Vede cristãos
o povo O quis.

Esbofeteado.
Ironizado.
La vai Jesus
de Nazaré
com a sua cruz.

Não mais ramagens
De recepção.
Nem as roupagens
forrando o chão.
Os seus vestidos
são saqueados
membros despidos
são torturados.
Galho de espinho
Lhe é assestado
e fel no vinho
é-lhe ofertado.

Outros salvou.
Ressuscitou!
Desça daí
Salve-se a si!

Oh! Deus de amor
Perdoa-lhes
tanta maldade
tanta insanidade!
não sabem
que não sabem.
Ouve o clamor
do meu irmão
do filho teu.
Ouve esta voz
da Fraternidade.
Tudo foi vencido
Nada ficou olvidado.
O mundo está remido.
Tudo está consumado
Na vitória do Ressuscitado.

Feliz Páscoa!