Semana da Pátria – Brasil 7 de setembro de 1822 – 2014 – 192 anos

Nós brasileiros, de uma forma ou de outra, estudamos e aprendemos na Escola um pouco da história do nosso país. Uma história de lutas, de guerras, de dependência, de escravidão, de injustiças, até os dias atuais. Por outro lado estudamos que o Brasil é um país diferencial dos demais países pela sua extensão, beleza geográfica, gigante e soberana, como bem expressou Olavo Bilac, no século XIX, no seu belo poema dedicado a nossa Pátria.
O Brasil é também rico pelo seu povo, tão diversificado, na sua cultura, costumes, raças e credos, que aqui foram chegando, de todos os continentes.
É por isto que somos um povo tão rico na nossa cidadania. Somos um liquidificador de culturas, correndo no nosso sangue todos os sangues da humanidade.
Foi possível sentir um pouco este colorido tão sintonizado, durante a Copa do Mundo.
Mas é também urgente nos conscientizarmos mais e mais, como cidadãos na construção do Bem Comum, igualitário e para todos. A Semana da Pátria nos dá esta oportunidade simbolizada no Fogo Simbolo transmitindo luz que vem de dentro de nós, como uma luz iluminando o mundo. Este fogo que permanece aceso duranto toda esta semana é celebrado unicamente em nosso país. Pensem nisto.
Juntos busquem durante esta semana homenagear nossa Pátria retomando o belíssimo poema de Olavo Bilac.
Ama com Fé e Orgulho a Terra em que nascestes…

A PÁTRIA

Olavo Bilac séx XIX

Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste!
Criança! não verás nenhum país como este!
Olha que céu! que mar! que rios! que floresta!
A Natureza, aqui, perpetuamente em festa,
É um seio de mãe a transbordar carinhos.
Vê que vida há no chão! vê que vida há nos ninhos,
Que se balançam no ar, entre os ramos inquietos!
Vê que luz, que calor, que multidão de insetos!
Vê que grande extensão de matas, onde impera
Fecunda e luminosa, a eterna primavera!
Boa terra! jamais negou a quem trabalha
O pão que mata a fome, o teto que agasalha…
Quem com o seu suor a fecunda e umedece,
Vê pago o seu esforço, e é feliz, e enriquece!
Criança! não verás país nenhum como este:
Imita na grandeza a terra em que nasceste!