Potencial Turístico das Lagoas de Osório ganha destaque em dissertação

O turismólogo Leonardo Reichert apresentou na sexta-feira, (07/08), a dissertação de mestrado intitulada “Análise do Potencial Turístico das Lagoas Costeiras de Osório, Rio Grande do Sul”, sob a orientação da professora Dra. Rosane Maria Lanzer. Na oportunidade, a banca composta pelos professores Dr. Paulo dos Santos Pires (UNIVALI), Dr. Alois Eduard Schäfer (UCS) e Dr. Sílvio Luiz Gonçalves Vianna (UCS) aprovou o trabalho com distinção, sendo esta aprovação requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Turismo.
Leonardo iniciou o Mestrado em Turismo no ano de 2013, aliando o seu trabalho final à participação no Projeto Lagoas Costeiras 3. Como Osório compreende um dos maiores complexos lagunares do Brasil, para determinação de sua potencialidade turística, neste estudo, foram avaliadas seis lagoas: Lagoa dos Barros, Lagoa do Marcelino, Lagoa do Peixoto, Lagoa do Caconde, Lagoa da Pinguela e Lagoa do Horácio. Os fatores determinantes do potencial turístico, como acessibilidade à lagoa, qualidade da água, infraestrutura turística, degradação ambiental e importância da lagoa, foram analisados e quantificados por meio de observação in loco, registro fotográfico e entrevistas com gestores municipais e usuários das lagoas.
As lagoas costeiras de Osório – RS, de acordo com Reichert, podem vir a se tornar importantes atrativos turísticos, desde que planejados de maneira eficaz e contínua, aliando o uso público à conservação do ambiente natural. Além de planejamento estratégico, as lagoas de Osório necessitam melhorias específicas que vão desde a implementação de infraestrutura até o saneamento das lagoas.
Todos os envolvidos no processo (poder público, iniciativa privada, comunidade local e visitantes) são importantes no desenvolvimento turístico das lagoas. O incentivo ao desenvolvimento de atividades ambientalmente brandas e, na medida do possível, aliadas à educação ambiental, são fundamentais na utilização racional dos ecossistemas lacustres, tendo como foco principal a conservação do recurso hídrico para o benefício da própria comunidade e das gerações futuras.

Fonte: Projeto Lagoas Costeiras

 

Turismólogo Leonardo Reichert e banca avaliador

Turismólogo Leonardo Reichert e banca avaliador/ Foto: Arquivo pessoal

 

Turismólogo Leonardo Reichert e banca avaliadora