IFRS Osório tem um “Genius” medalha de bronze

O jovem pesquisador do Câmpus Osório, Alessandro Hippler Roque, estudante do 4º ano do curso Técnico em Administração Integrado ao Ensino Médio, recebeu medalha de bronze, certificado e um tablet na categoria Ciência, como reconhecimento do trabalho apresentado na Genius International High School Project Competitions, feira científica voltada a compreensão global das questões ambientais e de promoção da sustentabilidade, realizada de 14 a 19 de junho de 2015 no câmpus da cidade de Oswego da Universidade Estadual de Nova York, nos Estados Unidos (EUA).
O projeto de pesquisa “Reaproveitamento de subprodutos agroindustriais no desenvolvimento de produto enriquecido com fibras para celíacos” é orientado pela professora da área de Panificação Flávia Twardowski. Tem por objetivo desenvolver um produto de panificação para o público intolerante ao glúten (celíaco) que seja agradável ao paladar e acrescido de fibras. Para isso, reaproveita subprodutos da agroindústria da região do Litoral Norte do Rio Grande do Sul, como casca de abacaxi, de banana verde e de arroz integral, transformando-os em farinhas.
Desta forma, colabora para a solução dois problemas bem distintos, conforme explica o estudante que desenvolveu a pesquisa: “Ao mesmo tempo que proporciona uma alimentação rica em fibras para pessoas com doença celíaca, reaproveita resíduos da agroindústria local, diminuindo, assim, o desperdício de alimentos”.
O resultado é pão sem glúten e com 8,6% de fibra – índice considerado de alto teor pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além de 170% mais barato do que os itens comercializados. O valor do experimento torna-se ainda maior diante dos dados sobre a população celíaca, que em todo o globo representa 1%, e no Rio Grande do Sul chega a 5% do total de habitantes.
A Genius Olympiad contou com a participação de 720 estudantes, de 70 países. O Rio Grande do Sul foi representado no evento por mais três trabalhos da Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, de Novo Hamburgo, que promove a Mostratec. Todos esses trabalhos também receberam premiações na categoria Ciência, dois com medalhas de bronze e um com menção honrosa. Outros estados da federação também se fizeram presentes, entre os quais Santa Catarina, São Paulo e Ceará.
“Poder participar de eventos científicos do Brasil e do mundo é o grande diferencial da nossa formação enquanto estudantes do Instituto Federal. As trocas de conhecimentos e de culturas reforça a importância dessas feiras, que desperta os alunos do Ensino Médio para atuarem como agentes de mudança da realidade seja em que área for. Fico muito feliz, não só pela experiência de ter participado em dois grandes eventos mundiais, mas, principalmente, por atuar em um trabalho que poderá contribuir com a qualidade de vida de muitas pessoas” – avalia Alessandro, que no mês de maio participou da Intel ISEF – International Science and Engineering Fair -, maior feira de ciências e engenharia pré-universitária do mundo, realizada em Pittsburgh, Estados Unidos.
Na oportunidade, o projeto de pesquisa foi um dos três trabalhos gaúchos premiados, recebendo duas menções honrosas: uma da American Statistical Association – maior comunidade de estatísticos do mundo, que destacou quatro pesquisas pela utilização de ferramentas de estatística; e outra da Organização dos Estados Americanos (OEA), que definiu 50 finalistas por contribuírem com o desenvolvimento regional dos seus respectivos locais de origem.

11425243_1089176184430280_8847230344604074588_n

Projeto de pesquisa sobre pães para celíacos foi reconhecido mundialmente/ Foto: Divulgação