Enfim sós

O afeto que sentimos nesta época do ano uns pelos outros nos remete à ideia de união. Que bom! Ficamos meio eufóricos, e uma sensação que tudo vai ser diferente, a sensação que num toque de mágica vai diminuir a falta de amor, respeito, equilíbrio, seja conosco mesmo ou com a humanidade. Tentamos enfeitar a realidade com coisas: Roupas, presentes, reforma da casa… E a nossa reforma? Para muitas pessoas, festas de final de ano é apenas uma festa bonita. Mas é nessa época, que uma grande nostalgia toma conta do coração de muita gente, e longe de ser pessimista há muita fachada pintada de felicidade. A vida é maravilhosa quando a maioria das coisas está bem, mas também é cheia de problemas quando a maioria das coisas está mal, e os problemas chegam chegando, não escolhem datas. Lidar com certas coisas de um jeito que seja bom para gente e para os outros é difícil. Numa hora falta dinheiro, na outra somos traídos por pessoas que amamos, ou estamos estremecidos com algum amigo ou familiar, quando o pior não aparece, como uma doença, ou a perda de uma pessoa querida. Uma coisa que me marcou muito foi o jornalista Pedro Bial terminando o Fantástico dizendo: – “Saúde e Paz o resto à gente corre atrás”… Sempre ficava pensando, porque ele não arrumava um bordão mais rico, hoje entendo que mais rico que este ele não acharia, eu que não entendia, porque na época nunca tinha me faltado saúde, nem paz… É necessário tu passar por certas situações, senão tu nunca vai entender muitas coisas. Mas graças a Deus, enquanto a gente estiver “vivo” existe saída para todas as dificuldades… É aí que tu te tornas poderoso, um sucesso para ti mesmo. Resumindo: “A vida só é “perfeita” entre o Natal e o Ano Novo, só falta à vida e a felicidade badalarem os sinos e gritarem numa só voz: Enfim sós”! E outra coisa, que bato sempre na mesma tecla: – Falta humildade meu povo! O fato é que ninguém é melhor que ninguém! Ora bolas natalinas… Somos todos iguais, o destino da “embalagem” dos presentes baratos ou caros é o lixo.