Claudio Domingos

  • Referenciais

    Referenciais

    Obviamente, falta, ou se tem algo. Em todos os sentidos, físico, ou imaterial. Tem-se paciência, ou falta. Há moralidade suficiente ou falta aqui e ali. Há bem-estar, ou falta dele. Em algumas regiões, há suficientes benefícios sociais; em outras, a falta é evidente. Faltam muitas coisas em nossa região, como, aliás, em qualquer parte do […]


  • Uma carta

    Uma carta

    A comunicação, hoje tão fácil e rápida, banalizou as relações sociais. O e-mail tomou conta e muitas pessoas sequer conseguirão parar para ler uma carta em papel, como foi na história do mundo. Se você tiver ainda um pouco daquela antiga paciência de viver, leia com atenção e analise o conteúdo da carta que vou […]


  • Caminhos

    Caminhos

    Muitos caminhos existem pela vida Com seus lugares lindos de se ver. Mas, nessas estradas esquecidas, Quantos rumos deixamos de viver Não deixe sonhos adormecidos Tenha os desejos e os pés alados Descubra, nesses mundos perdidos, Os teus rios e vales encantados. À margem, deixe os desalentos. Um dia talvez os levem os ventos. Ande. […]


  • A borboleta amarela

    A borboleta amarela

    Em um lindo amanhecer De fulgente primavera Uma borboleta amarela Passou em minha janela O voar desajeitado Ia ao rumo do mar Decerto ver horizontes Cruzar lagoas, banhados, Ver na praia o sol nascer Caranguejos, céus, areia, As gaivotas, as baleias E as belezas do viver Um dia, irá voltar De horizontes refeita Virá no […]


  • O mal que nos castiga

    O mal que nos castiga

    Não são as dores físicas que maltratam; são os látegos invisíveis, os olhares sem ver. Não são as chibatadas que machucam; são os vazios, o tato insensível das nossas mãos carentes. Há misérias mais sofridas do que a pobreza material. Há sofreres maiores do que as dores físicas. O que me faz sofrer é a […]


  • O meu mundo

    O meu mundo

    O meu mundo já foi maior. Bem maior. Cheio de mistérios e distâncias. De enigmas por desvendar e longos caminhos por percorrer. Tudo era longe. Os vizinhos, os lugares, os sonhos. Andava-se mais a pé, a cavalo, em carroças, em carros de boi, por estradas poeirentas. Gente procurando sóis, indo e vindo. Tudo era mais. […]


  • Mortes

    Mortes

    Morrer por morrer, morre-se todo dia Morre-se à noite, à tarde, na alvorada Morre-se de tudo, de sono, de alegria De rir, de chorar. Morre-se por nada Morre-se de manhã, a cama vazia Roupas pelo chão, a porta escancarada Alguém que partiu, alguém que sofria Alguém que se foi e não disse nada Morre-se de […]


  • Primavera

    Primavera

    Os dias lindos – esses dias de sóis – de céus azuis – e prazeres de viver São carinhos Afagos da natureza Para atiçar os desejos E afinar os cantares Os cantares – esses cantares – que brotam das ramadas – e moram nos olhares São anseios Súplicas de amor Às pétalas em botões Para […]


  • Luzes e sombras

    Luzes e sombras

    Todos os dias O sol nasce O sol se põe Aqui e ali Germinam as flores E as ervas daninhas Amarelam os trigais Brota o joio Murmuram as fontes Cantam os pássaros Chora uma criança Alguém ama É amado Sonha, canta, Sorri, pensa Soluça, padece Todos os dias Em algum lugar O vento passa As […]


  • Rimas pobres

    Rimas pobres

    Há por trás dessas verdades Que a gente ouve na vida Camufladas falsidades E mentiras escondidas Quem inventou que amanhã Será melhor que o passado? Quem construiu o cinismo? Quem inventou o pecado? Quem matou as minhas crenças Trocou-as por más avenças E saberes mal pensados? Era tão bom ser criança Onde, em tempos de […]