Bons ventos… Para todos nós

Chega uma época em nossa vida que temos a necessidade de mudar, largar coisas muito enraizadas e profundas. Quem sabe não chegou à hora de mudar, ou quem sabe simplificar, resgatar… Às vezes não é necessário mudar de vida, mas olhar com outros olhos para tudo e todos. Começar a entender que somos responsáveis pela nossa vida… Podemos dar cor ou não. Colorir exige mais trabalho e cuidado, mas que fica mais bonito fica. Olhar e ver se não estamos construindo muros muito fechados em volta de nós, às vezes conhecer o outro lado mude a nossa visão. E com esse novo olhar, fica mais fácil pensar na vida… Precisamos de apenas uma reforma, ou fazermos em nós uma nova construção? Muitas vezes nos isolamos demais. Ou precisamos nos aquietar mais? Quem sabe precisamos de mais silêncio. E se a dúvida bater à porta é melhor atender. Ela sempre vem avisar que alguma coisa precisa mudar. Já vi que olhar para nossa vida requer muita coragem e força. Enxergar o que precisa ser mudado e desapegar de muitas coisas, inclusive boas. É olhar fundo, profundo, e quando o desapego acontece claro que ele nos leva a passar por situações difíceis, desconhecidas. Neste momento surge uma confusão em nós. É a reforma, a construção… Mas tudo passa, e toda mudança, seja construção ou reforma traz caos. Confesso: “Desculpe o transtorno, estou em reforma”. Mas precisamos lembrar que vale à pena, o resultado chega. E nós queremos nos fixar, permanecer! É hora de recomeçar, reformar ou construir, assumir a nossa vida, e ser dono dela. Não é nada fácil.
“Nunca achei complicado escrever, mas hoje te confesso está difícil, dificílimo… Eu acho que sempre escrevi com a vontade, petulância talvez, de cuidar de mim, de cuidar de ti. E não quero de maneira nenhuma sair da tua vida repentinamente, deixando um vazio, no teu coração e no meu… Estou me “afastando” do Jornal Bons Ventos por algum tempo, porque no momento tenho alguns planos de ordem pessoal que vão me absorver intensamente, e sei o quanto é importante fazer a diferença no Jornal. Quase cinco anos se passaram, e eu só tenho agradecer, contribuíram muito para o meu crescimento pessoal, e sempre agiram com a maior lisura, que é característica dessa maravilhosa Equipe. O “Jornal” não me pediu a chave. Que bom! Nada melhor do que sentir-se abraçado nos momentos de insegurança. Talvez depois da minha reforma, construção, ou em um novo projeto nossos caminhos possam se cruzar novamente, no que teria o maior prazer de participar. Minha gratidão e o meu muito obrigada em especial ao excelente jornalista e Diretor Antão Sampaio. Um beijão no coração de todos, especialmente a todos os meus queridos leitores que me acompanharam no Jornal Bons Ventos.”