A Feira do Livro A Praça. O Livro. A leitura Iluminando a cidade! 30ª Feira do Livro de Osório

Eu vi. Convivi. Aprendi. Sou testemunha.
Literatura e diversidade cultural foi a abrangência motivadora desta bonita Festa do Livro, já histórica.
É fato e, como dizem os entendidos, a vida adulta é conquistada aos 30 anos. Então, nossa Feira do Livro alcança sua vida adulta. Sua trajetória de 30 vivências foi construída por muita gente, cada um no seu tempo, descobrindo, criando, aprendendo, crescendo, assumindo com grandeza, todos os seus desafios, como a maior Festa Cultural de sua cidade, marcando sua característica de cidade amante da cultura.
O osoriense tem dentro de si, o dom da cultura, em todas as áreas, desde o ato de escrever, na literatura, no teatro, na música, na poesia, embora ainda um tanto dispersa, individualizada e desconhecida de muitos.
Por outro lado é surpreendente constatar sua fidelidade na construção coletiva dos seus dons culturais. A beleza cultural de um povo se manifesta particularmente, na palavra escrita e na leitura, que ilumina a mente humana, penetra no seu pensamento, na imaginação na inteligência e no coração de cada pessoa.
Sabemos que a necessidade de registrar a fala, sempre esteve presente na história da humanidade, através de todos os processos da criatividade humana até hoje com a internet. Por outro lado, afirmam os maiores intendidos em informática: Nossos filhos terão computadores sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura nossos filhos não serão capazes de escrever, inclusive, sua própria história.
É de fundamental importância desenvolver uma cultura de leitura entre nós, através de uma dinâmica crítica, como aprendizes e formadores de opinião em todas as situações da vida, podendo melhor participar da construção de outro mundo possível, sem guerras, pela paz.
Nossa Feira na Praça da cidade, deu um toque de beleza colorida, de inspiração e motivação acolhendo o livro e os amantes da cultura com carinho e vibração. A Praça é espaço livre de liberdade criativa, ali, a natureza viva, é sempre mais bela em cada primavera. Ela nos ajuda a amar e respeitar o meio ambiente que grita por socorro.
Realmente vivenciamos uma belíssima Feira. Parabenizo com entusiasmo seus organizadores, como também os homenageados desta Festa Cultural do Livro, José Eduardo de Miranda, Rodrigo Trespah e Divina Noronha.
A praça acolheu o livro e abraçou a população enriquecida pelas crianças que mostraram sua criatividade desenvolvida na escola.
Um dos pontos fortes desta Feira foi, sem dúvida, o testemunho vivo dos escritores locais. Foi muito rico o encontro da Academia dos Escritores do Litoral Norte, relatando com sabedoria partilhada, seus saberes e seus objetivos.
Particularmente, destaco a pesquisa e apresentação dos nossos escritores RodrigoTrespach, Anderson Alves Costa, Fabiano de Souza Marques, Jerri Roberto Almeida e Paulo Sanches. Navegando pelo passado de nossa história nos emocionaram com sua obra AMOR À ARTE, Antônio Stenzel Filho e Seu Tempo, o primeiro escritor osoriense.
Osório, na sua trajetória de cidade histórica, não teve o cuidado amoroso de conservar o patrimônio antigo de alguns dos seus casarões tradicionais.
Mas é importante destacar que o osoriense ama sua história e sua cultura convivendo com ela através dos tempos, resgatando o ontem no hoje, para o amanhã. É a história viva que jamais desaparecerá.
Hugo de Pacce, filósofo Italiano diz: Temos que amar o passado enquanto o passado nos ajuda a amar o presente e o futuro.
Parabéns todos! Avante!
Termino com um pequeno poema de Dom Helder, que nos estimula a seguir em frente sempre:
ATÉ O FIM.
Não, não pares. É graça divina começar bem.
Graça maior é persistir na caminhada certa.
Manter o ritmo…
Mas a graça das graças é não desistir
podendo ou não podendo,
chegar até o fim.