2º Curso de Viveirismo na escola está com inscrições abertas

Serão 40 horas de formação gratuita sobre viveiros escolares com ênfase no bioma Mata Atlântica

Programação enfoca a relevância, potencialidades e desafios socioambientais para a Mata Atlântica

O Projeto Taramandahy – Fase III convida para última edição da formação de 40 horas em viveirismo: “Árvores da Mata Atlântica: possibilidades para a educação nas escolas”. O Curso inicia dia 13 de maio e é direcionado a professores/as e funcionários/as de escolas da região da bacia hidrográfica do Rio Tramandaí. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas até 05 de maio pelo e-mail taramandahy@gmail.com, ou presencialmente, no Centro de Referências Ambientais Taramandahy (End.: ERS 484, nº 780, Costa do Céu – Maquiné/RS).

Esta formação teve sua primeira edição em 2018 e formou 15 educadores, que desenvolveram projetos para seus espaços escolares. A proposta do curso é de qualificar a prática pedagógica de Educação Ambiental nas escolas, envolvendo a comunidade escolar em estratégias de preservação e cuidado com a Mata Atlântica. Ao mesmo tempo, contempla os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 (http://www.agenda2030.com.br) da ONU: ODS 4: Educação de Qualidade; ODS 6: Água Potável e Saneamento; e ODS 15: Vida Terrestre.

É uma atividade do Projeto Taramandahy – Fase III, realizado pela Anama e patrocinado pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental e Governo Federal, apoiado pelo Comitê Tramandaí. A programação enfoca a relevância, potencialidades e desafios socioambientais para a Mata Atlântica; características e potenciais das espécies arbóreas; legislação ambiental; práticas de viveirismo e saída à campo para identificação de espécies e coleta de sementes. Terá atividades à distância, com fins de elaborações de projetos pedagógicos enquanto ferramenta na prática educativa ambiental.

O curso contará com os ministrantes e palestrantes associados da Anama: Cláudia Luiz Schirmer: bióloga, mestre em ecologia, professora estadual, educadora ambiental e assessora no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Maquiné/RS; Luciano Matzenbacher Gutterres: biólogo, especialista em gestão escolar, professor estadual e educador popular; Dilton de Castro: ecólogo, mestre em geografia, permacultor e coordenador do Projeto; e Rodrigo Gastal de Magalhães: biólogo, mestre em Botânica e Etnobotânica, permacultor e assessor técnico do Projeto. Mais informações pelo e-mail claudialuizschirmer@gmail.com.